WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
embasa prefeitura de ilheus



Bahia: Indígenas relatam fome, falta d’água e destruição após chuvas nas aldeias

Ponte que dava acesso à comunidade indígena Tupinambá de Olivença, em IlhéusDivulgação/Mupoiba

Temporais já haviam cortado comunicação das comunidades no meio de dezembro; chuvas do fim de ano pioraram o cenário e pelo menos 9 mil foram afetados

Lideranças indígenas relataram um cenário de destruição em comunidades no Sul e no Oeste da Bahia após as chuvas que já deixaram 20 pessoas mortas e pelo menos 30 mil desabrigadas. O coordenador do Movimento Unido dos Povos e Organização Indígenas do estado da Bahia (Mupoiba), Agnaldo Pataxó Hã Hã Hãe, calcula que pelo menos 9 mil indígenas foram afetados pelas chuvas, o que equivale a 15% dos 60 mil que vivem no estado.

“São aldeias completamente alagadas, estradas interrompidas impedindo que as comunidades tenham acesso às cidades, vários que perderam todas as suas plantações. Não há água potável. Situação é muito difícil”, afirmou Agnaldo Pataxó Hã Hã Hãe, coordenador do Movimento Unido dos Povos e Organização Indígenas do Estado da Bahia.

O temporal, classificado pelo governador Rui Costa como o maior desastre natural da história baiana, afetou sensivelmente três povos que vivem no extremo sul do estado: os Pataxó, os Tupinambá e os pataxó Hã Hã Hãe.

O vereador Cláudio Magalhães, a secretaria da Sepromi Dr. Fábya Reis, o comandante da “Força Tarefa”, e Agnaldo Pataxó do Mupoiba

O Mupoiba cobra que o governo estadual ajude de forma mais célere os povos tradicionais. O grupo tem articulado doações de materiais de higiene, alimentos e água potável aos que ainda estão isolados e àqueles que perderam suas plantações por conta das fortes chuvas. No momento, segundo o grupo, 10 indígenas estão aguardando resgate aéreo na cidade de Pau Brasil.

“Pontes estão submersas, outras caíram. O que nos resta é fazer campanhas para arrecadar alimentos, tem gente passando frio com a água em suas casas”, afirmou a indígena Nataly, do povo Tupinambá de Olivença.

As chuvas da primeira quinzena de dezembro já haviam afetado sensivelmente os povos indígenas do Sul da Bahia. O Mupoiba enviou um ofício ao governador Rui Costa no dia 16 de dezembro, relatando que centenas de famílias ficaram em “estado de calamidade e vulnerabilidade social, principalmente insegurança alimentar. São famílias ilhadas e isoladas em seus aldeamentos pelas cheias dos rios e destruição de pontes e estradas de acesso às comunidades”, diz trecho do documento.

1 resposta para “Bahia: Indígenas relatam fome, falta d’água e destruição após chuvas nas aldeias”

  • Juvenal Payayá says:

    Ajudar na primeira segunda feira do ano para que nas outras feiras não faltem para ninguém o “caru”, o que comer.
    Juvenal Payayá

Deixe seu comentário

Banner do Governo da Bahia campanha ‘Enatado Solidário’

janeiro 2022
D S T Q Q S S
« dez    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  


WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia